macaco2 (2)
Depois de ser mantido enclausurado por dois anos em uma caixa de madeira escura, um orangotango foi finalmente foi libertado, em West Bornéu, na Indonésia, na última quarta-feira. O animal, que foi encontrado com apenas uma garrafa de plástico vazia e um pouco de palha, recebia apenas a ocasional visita do homem que o mantinha preso. Kotap, como foi chamado, tem 4 anos e foi resgatado pelo departamento florestal local e levado para o centro de resgate da ONG International Animal Rescue, para tratamento e reabilitação. A caixa onde o animal era mantido tinha apenas um metro quadrado.

O homem responsável por manter o animal preso foi identificado como Baco. Ele alegou ter recebido o orangotango por alguns conhecidos na aldeia de Ketapang. Segundo o homem, ele levou o pequeno macaco em uma caixa de papelão para cuidar dele. No entanto, teve medo de que o animal pudesse incomodar os vizinhos e o trancou na gaiola de madeira. Kotap era alimentado com comida humana, incluindo pão e arroz. Baco afirmou que a refeição favorita do animal era macarrão instantâneo não cozido, lavado com uma bebiba açucarada.
Funcionários do departamentl florestal visitaram o homem em sua casa, na vila de Rabak, em uma ocasião anterior, mas não conseguiram convencê-lo a entregar Kotap. No entanto, após uma longa conversa, Baco foi convencido a entregar o animal.
Quando a porta da caixa foi aberta e o veterinário estendeu sua mão a Kotap, o orangotango se mostrou assustado e correu para a parte de trás da caixa. “Kotap estava muito estressado por todos os estranhos que se reuniram para vê-lo quando ele foi tirado da caixa. Ficou nervoso e agressivo, o que não é surpreendente. Então, durante a longa viagem de volta ao centro, mantivemos as pessoas longe dele, para que ele permanecesse o mais calmo possível”, disse Uwi, o veterinário responsável pelo resgate.
Alan Knight, Chefe do Executivo da ONG International Animal Rescue, lamentou a situação em que o animal vivia. “Este pobre orangotango foi mantido sozinho no escuro durante dois longos anos. Ele foi privado de tudo o que um orangotango precisa para sobreviver na natureza. Aos quatro anos de idade, ele ainda deveria estar com sua mãe, aprendendo com ela como escalar e se mover pela floresta, quais alimentos comer e o que evitar, e como construir um ninho nas árvores para dormir em cada noite”, disse.
Diretora do programa de resgates da ONG, Karmele Llano Sanchez, recriminou a captura de orangotangos. “Já é hora de as pessoas perceberem que, se continuarem infringindo a lei ao capturar orangotangos e mantê-los ou vendê-los como animais de estimação, a espécie logo se extinguirá.